18

SET

Volkswagen utiliza estratégia MQB para deixar os processos de produção e economia mais eficiente

A Estratégia Modular MQB vai revolucionar o segmento de compactos premium no mercado brasileiro. Como fabricante global de automóveis, a Volkswagen trabalha para tornar seus carros e processos de produção mais econômicos e eficientes.

No Brasil, a Volkswagen está implementando agora a Estratégia Modular MQB na Fábrica Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP), para modelos compactos. Essa base vai dar origem inicialmente a quatro modelos completamente novos, que serão comercializados no mercado latino-americano nos próximos anos. Entre eles, o Novo Polo e o Virtus, um sedã desenvolvido com foco no mercado latino-americano e que será também produzido na Fábrica Anchieta.

“Os veículos baseados na Estratégia Modular MQB proporcionam o que há de mais moderno em termos de design, inovação, alta performance e segurança”, afirma Dr. Markus Kleimann, vice-presidente de Desenvolvimento do Produto da Volkswagen do Brasil. “O Novo Polo está sendo desenvolvido pela Engenharia do Brasil e da Alemanha e vai elevar o patamar no segmento de compactos, oferecendo recursos tecnológicos oferecidos em modelos de segmentos superiores, como Golf e Passat”, conclui Dr. Kleimann.

Conceito MQB – Veículo

A Estratégia Modular MQB tem como base quatro principais módulos padronizados como Elétrica/eletrônica;  Chassi,  Carroceria, Ar-condicionado, banco e airbags.

Na prática, as vantagens proporcionadas pela Estratégia Modular MQB são grandes e inclusive contribuem para que se atinjam as metas de redução de CO2.

Os efeitos positivos da Estratégia Modular MQB nas proporções do carro e em seu design são enormes, permitindo que se obtenha a chamada “atitude” (postura do carro) mais larga e baixa, com design de linhas de caráter mais nítidas e fortes.

A Estratégia Modular MQB é dividida em cinco principais seções, considerando que o um dos mais importantes para a implementação do conceito de componentes modulares são as suas dimensões de engenharia uniforme  como, por exemplo, a distância entre os pedais do veículo (acelerador, freio) e o centro da roda dianteira. Mas é igualmente importante oferecer parâmetros variáveis. Entre eles, a distância entre eixos, as bitolas e os tamanhos das rodas, de forma a permitir que diferentes arquiteturas de veículos possam ser implementadas a partir de um conjunto de componentes.